sábado, 3 de novembro de 2007

Cinema Alemão


Anos 20: Metrópolis, Fritz Lang (1926, Alemanha).

Marca do expressionismo alemão, construção de alegorias e composições geométricas monumentais, diz-se que esse longa metragem impressionou tanto a Adolf Hitler que consultou Fritz Lang da possibilidade de trabalhos para o nazismo.

Mas de que trata mesmo Metrópolis?
Um paradigma da repetição assinala Ismail Xavier(1). A narrativa se movimenta numa alusão ao tempo futuro, porém sugere uma circularidade mítica que se vale da analogia como parâmetro de reflexão. Uma alegoria retratada desde a retórica clássica, pretendendo criar nexos entre uma analogia que se desenvolve ao longo de um percurso conectando-o, porém mantendo distinto, num mundo narrado e num universo de referência histórico ou mesmo de natureza conceitual. Trabalha-se no eixo do presente e do futuro. Uma cidade imaginária que tem a dimensão de um laboratório e ilustração de um problema vivido nos anos 20, para o qual se apresenta um diagnóstico e uma solução.
Os termos dessa analogia extraídos de vários contextos sócio-culturais ganham um nível de complexidade de modo a estabelecer uma relação entre passado e futuro definida por narrativas e referências iconográficas do passado. Desta maneira, estão subsumidos em Metrópolis, a tradição bíblica (o Velho e o Novo Testamento), o romance medieval, a mitologia germânica, tragédias e melodramas de vigança, uma constelação de elementos e de dados iconográficos de efeitos notáveis, a imprimir uma feição kitsch e a compor seu corpo fílmico. Vários campos de analogias convidam a leituras em busca de princípios de coerência, de mobilização de um campo teórico para identificar na arquitetura do filme as proposições de sentido e alegorias aí presentes(2).
O filme de Fritz Lang, diz Xavier, tem uma composição monumental que ultrapassa a mensagem enunciada no seu final, há um descompasso entre a mensagem intencionada e a experiência estética, o que aponta uma discrepância entre a riqueza de elementos compositivos que excedem o teor da parábola. Essas tensões estão presentes no filme, entre a narrativa e os efeitos plásticos, entre a palavra e a imagem, mas não se pode tomá-los unicamente com estranhamento uma vez que compõem um discurso disposto a exibir tais tensões como uma coleção de referências notórias.
A construção do espaço alegórico da cidade na abertura do filme e o modelo de alegoria que se instala quando a narrativa se desenvolve demarca a análise empreendida pelo que Xavier considera como a sua seqüência chave: o relato de Babel. Esta seqüência ocupa uma posição nuclear, diz ele, porque propõe um sentido particular para as construções monumentais que interagem com o lado sentencioso do filme, mas também porque assinalam como a alegoria impregna a composição visual de Metrópolis.
A magia e a ciência moderna estão presentes, na apresentação do robô, no laboratório como terreno dos fatos prodigiosos, nas substâncias líquidas em frascos misteriosos, uma cenografia que apresenta uma aparência de arcaísmo que se encontra com o gótico e o high tech, num universo de máquinas que sugerem uma concepção da luz como eletro-magnetismo. O futuro encontra a Idade Média. A tradição versus a modernidade. No laboratório de Rotwang a cortina se abre para que o metal em forma humana se movimentasse diante de espectadores atônitos antecipando um futuro que talvez os exclua. Tudo é premonição fatalista, impregnado do espectro de morte insinuada pela imagem metálica do robô e presença de caveiras. O metal tende a se transformar como força operativa na figura da feiticeira, metamorfoseada em Maria. O robô provoca fascínio e terror, a identidade entre a máquina e a figura feminina também se instala. Várias são as interpretações que mobilizam a psicanálise e a história social para as análises dos seus sentidos políticos subjacentes (3). Não é nosso propósito adentrarmos por esta vertente de análise, uma vez que especialistas voltados para estas ciências estão mais interessados e familiarizados e já as dispuseram para consulta, a quem por elas se interessarem.
Importa aqui, trazer a análise do Ismail Xavier ao tomar uma sequência emblemática: a alegoria de Babel. A lenda de Babel em Metrópolis é muito mais do que um modelo de referência, ela se faz parábola dentro da parábola, diz ele, para que o filme possa explicitar os termos da sua analogia entre o futuro e o passado mítico.


Em toda seqüência de Babel o agenciamento de palavras e imagens, pela seqüência ou justaposição, e até mesmo por suas lacunas, repete ou avança certos motivos que são centrais no destino da cidade do futuro, exibindo-os de forma mais depurada. É um momento em que a vontade de alegoria se faz plena, não só porque seja esta a intenção de Maria, mas porque na sua própria forma a seqüência insiste numa dimensão de “escrita hieroglífica” que chega ao esquematismo do emblema: justaposição de imagem e inscrição verbal cujo fundo pedagógico não afasta as tensões próprias a tais cotejos onde a experiência visual tende a escapar da linha estrita definida pelas palavras. Há um jogo de espelhos pelo qual a lenda de Babel forma uma versão reduzida do relato maior que dá conta dos fatos em Metrópolis, para que a analogia se faça uma quase identidade, uma repetição que o filme trabalha de modo particular, solo para que a mesma frase edificante arremate a pregação, aqui e no final do filme.


Como assinalado antes, um paradigma da repetição. Gostaríamos de continuar rastreando a análise, mas o espaço que estamos nos movendo tem os seus limites. Escolhemos apenas uma e só apenas uma seqüência, a seqüência que nos pareceu emblemática, deixando de comentar outras importantes alegorias modernas utilizadas, como o relógio que organiza o trabalho, o sino que convoca os espíritos, o trabalho como danação, a imagem da rebelião das massas e tantas outras que compõem o corpo fílmico.
O filme de Lang é polêmico, uma composição visual que dispõe peça de uma alegoria e traz a forma de uma experiência estética. O filme apresenta uma cidade imaginária e a forma da composição de tal monumento. Ao inscrever Babel como chave de codificação do seu discurso sobre o moderno, Metrópolis introduz um movimento reflexivo sobre a problemática do monumento, a busca do espetacular envolvendo um diálogo com espaços arquitetônicos em grande escala. Compõe uma alegoria moral de inspiração bíblica tornando Babel, a construção de uma imagem desejável.

O acirrado debate que o filme provoca, merece algumas linhas a mais:


Embora não contemporâneos, os filmes de Griffith e Lang são dois exemplos extraídos de um contexto histórico que, desde o início do século até a Segunda Guerra, se definiu por uma competição acirrada, esforço de hegemonia nos mercados e exacerbação dos nacionalismos que transformou as Exposições Universais, ponto de celebração do progresso, em terreno de rivalidades entre os países da Europa e os Estados Unidos . (...) Os filmes em questão constituem dois projetos tipicamente babélicos, em termos de saga da produção, do resultado monumental e do desastre financeiro. Enquanto projeto explícitos de exibição de uma força, eles mostraram muito bem o contexto de competição em que se insere esse impulso em direção ao monumento enquanto afirmação de uma identidade, construção de uma imagem desejável.


O filme Metrópolis, encontra-se submerso num quadro de notório conflito de interesses e de ressentimentos, de rivalidades nacionais do período entre guerras, isto é o que esta na raiz de Metrópolis como superprodução high tech, analisa Xavier.

Devo finalizar essas brevíssimas notas apenas iniciadas. Ficaram muitos fios soltos o que me provoca uma imensa vontade de ao rever o filme, refletir mais sobre a corrente do expressionismo alemão no qual o filme encontra-se inserido.



Notas:
1. Ismail Xavier. A alegoria langiana e o monumental: a figura de Babel em Metrópolis. In: História e Cinema. Maria Helena Capelato [et al ] São Paulo: Alameda, 2007.
2. Ver em análises do filme Metrópolis, cf: Tom Gunning. The Films of Fritz Lang: allegories of vision and modernity. Londres: BFI Publishing, 2000.
3. Roger Dadoun. Metropolis: ville-mère, Mittler, Hitler. Revue Française de Psychanalse 1( 1974) e Andreas Huyssen. The Vamp and the Machine: Fritz Lang’s Metropolis in After the Great Divide: Modernism, Mass Culture, Postmodernism. Bloomington, Indiana University Press, 1986.

6 comentários:

Jonga Olivieri disse...

Quanto a “Metrópolis”, uma obra-prima do cinema, não apenas alemão, mas mundial.
Aliás, o asssti pela primeira vez aí (no ICBA) na década de 1960, quando passaram uma excelente retrospectiva de filmes do “Expressionismo Alemão”.
Filmado em 1927, mas ambientado no século XXI é um primor em suas visões do futuro.
E não apenas as arquitetônicas, mas as sociais, em que o autor prevê um futuro de semi-escravidão humana, muito próximo da “barbárie” do capitalismo em nossos dias, quando a mais-valia está a se tornar cada vez mais abusiva com a redução constante do valor do trabalho (para o trabalhador e/ou escravo).
Os cenários e miniaturas forma lago espetacular para a época. Algo que até os nossos dias ainda não incomoda. Como algumas produções de filmes B de períodos bem mais recentes.
As cenas do submundo dos pobres no subsolo da cidade futurâmica, são chocantes.
Hitler, de fato ficou deslumbrado com a capacidade do autor e o convidou a colaborar com o regime nazista. Fritz Lang saiu da Alemanha. Mas ao que parece, sua então mulher, Thea Von Harben engrossou as fileiras do ditador (não me pergunte a fonte, pois li isto em um livro, lá se vai tempo).
Aliás, quero por isto mesmo parabenizá-la pelas suas fontes, sempre citadas e enumeradas. O que comprova a sua embasada formação acadêmica.

Stela Almeida disse...

Jonga, nos anos 80 assisti quase todas as retrospectivas que o ICBa. programava, mais recentemente, acompanho a programação da Sala Walter da Silveira. São dois circuitos que se complementam, embora com suas especificidades. Outra coisa,acho até que devemos insistir com André Setaro para continuar o Curso de Cinema, desta vez incursinando pelo Cinema Brasileiro. O que vc. acha?

Anônimo disse...

Vao notas rapidas, que estou trabalhando em Lan house no Shoping Barra. Achei seu comentario apropriado ao estilo do filme, meio Babelesco, metafora por metafora. Lembro do impacto com Metopole, quase uma premunicao do mundo tecnlogico mas ha dramas existenciais, que nao me lembro hoje que nao sao tocados, em seu comenario mais circulante sobre a forma, cuidado com o contagio, ab, Mary

Stela Almeida disse...

Realmente não me detive nas interpretações mais usuais encontradas em revistas de cinemas, preferi centrar-me numa sequência-chave do filme, a figura de Babel, assim como anota Ismail Xavier. Mas o importante mesmo são os comentários de uma importante socióloga com diversos trabalhos publicados, nacionais e internacionais, na Área da Sociologia do Conhecimento e outras áreas afins. Além de ser uma amiga pela qual tenho muito admiração e respeito. Mary Castro, obrigadíssima pelas sempre bem-vindas críticas.

Stela Almeida disse...

Jonga, como vc. bem chamou atenção, o futuro da semi-escravidão humana mostrada no filme, há um intertítulo que diz: falando a mesma língua, os homens não compreendiam uns aos outros. Ficou faltando falar sobre várias sequências impactantes, um motivo para rever as notas e o próprio filme. Sobre as fontes, gostaria de sempre atualiza-las, nem sempre é possível, mas com amazon.com bem que a gente tenta.

Anônimo disse...

STELA,

GOSTEI DA SENSIBILIDADE DO RECORTE.
VC TEM UM OLHAR CRÍTICO MUITO BOM .

BEIJOS
ZULEIDE